20130729

Algema

Pela última vez você me deixou
Depois de uma incessante vibração
Uma incessante brasa, que ardia
Arde no meu peito, no meio das pernas
Minhas e tuas. Mas não no teu peito
Só em mim arde, dói e chora
Late, sangra e ilumina meu sono
Não adiantam todas as inas de farmácia
Inas de vibradores, inas de bocadas
Eu só queria a ina do teu beijo.

Pela última vez você me deixou
E eu ainda te quero mais que tudo.

20130713

o calor das cobertas não me aquece direito

20130711

São Paulo, 5 de julho de 2013

Meu coração não sei porque bate feliz quando te vê... E os meus olhos ficam sorrindo e pelas ruas vão te seguindo...  Mas mesmo assim, foges de mim... Ai se tu soubesses  o quanto sou tão carinhosa e o tanto que te quero; e como é sincero o meu amor, eu sei que tu não fugirias mais de  mim; Vem, vem, vem, vem!... [Pixinguinha]
Amor,
Os meus escritos pra você, ou pra quem quer que seja, têm o simples objetivo de fortalecer algo que não é bem expresso pessoalmente. Quando este algo é lido, acho que a compreensão se faz maior. E é por isso que te escrevo, talvez pela última vez, senão a última com o peso dessas palavras.
Vim atrás de últimos contatos com você, pessoa que se fez tão importante pra mim há pouco mais de um ano. Não sei se me arrependerei disto, mas acho que o homem é feito de experiências. E talvez as que mais enriqueçam, dolorosamente ou não, são as que se mergulha de cabeça sem muito pensar nas consequências. Vim a São Paulo porque te amo. Ainda.
Não consegui seguir o seus conselhos de “fique tranquila”; “agora é outro momento de nossas vidas”; “don’t waste your time on me”; “vá viver”; “me esqueça”. Tanto amor que ainda sinto não se apagou, não diminuiu com o tempo... Não sei qual é o melhor caminho pra que isso aconteça, mas realmente quero que isso se faça real, quero dar seguimento a minha vida sem ter você como objeto, hoje inalcançável, de amor. Não sei o que fazer.
Queria muito estar acompanhando, enquanto sua companheira, seu crescimento pessoal em busca de algo maior que você não encontrava em João Pessoa. Admiro-te profundamente pelas últimas decisões que vens tomando nos últimos tempos, é necessária muita coragem e vontade de se expandir tanto; uma vontade sem tamanho de não querer a mesmice e as enfadonhas repetições cotidianas. Por isso acho que não faz sentido querer acompanhar este desenvolvimento enquanto sua namorada.
Sinto que, sem querer, castrei muito os seus ímpetos e fiz da sua vida uma monotonia que você nunca almejou. Nunca te senti próximo de mim o tanto que eu gostaria. Analisando meus últimos textos poéticos, os que escrevi pensando em ti, percebi que você sempre foi retratado como uma pessoa que, ainda que próxima, sempre foi cotidianamente distante dos meus carinhos e amor... Esta análise, embora me deixe muito triste, me faz compreender o que enfim nos afastou. Só falta eu compreender isto ao ponto de me deixar viver plena e feliz.
O que me impede de ser plena e feliz é a incapacidade de gerir os descompassos entre a razão e emoção. O que na verdade eu gostaria de estar te escrevendo era “Amor,me deixa te amar de novo, me permite ser tua parceira, me queira querida, amante e amada, me deixa te amar e me ama também”... E outras coisas mais. Mas isto, além de não surtir o efeito que eu tanto desejo de alma e peito, não nos convém. Enfaticamente, não me convém. Não querer te dizer coisas com este tom é uma batalha que eu travo todos os dias contra mim. E, quando digo, me traz um arrependimento mais que cruel. Até um “Eu te amo” se faz extremamente doloroso por não haver nenhuma correspondência. Me faz ter vontade de não viver, e é como se eu estivesse morrendo aos pouquinhos a cada letra que te escrevo. Esta visão pode ter um lado positivo; é necessária a morte para que haja a vida. Talvez eu precise mesmo te escrever tudo o que eu julgar necessário para que eu definitivamente morra; para que eu possa renascer.
Embora eu, tão cheia de culpas, falhas, desatinos e abismos emocionais, quero que você saiba que meus sentimentos por você sempre foram plenos de positividade e que nunca quis nada pra você além de crescimento e força para conquistar suas metas de vida. Acho que a única coisa que posso pedir ao destino é que um dia, nesta vida, possa te ter novamente ao meu lado, ainda que não seja como amante... Que seja enquanto amiga, companheira em algum ramo, que seja, ao menos que seja próxima. Porque te acho uma pessoa maravilhosa demais pra mim pra que se encerre o contato físico de hoje em diante.
Se o destino não me conceder meu pedido, quero que você saiba que, mesmo assim, você sempre estará dentro dos meus pensamentos e do meu coração. Você sim, foi único, pois nunca nutri ódio por você. Espero que nossa conexão se mantenha além da matéria e do físico, embora seja o que eu deseje, mas a força de uma conexão além matéria pode ser mais útil pra gente.
Te amo com todas as vibrações de corpo e alma. E, embora atualmente ainda te queira enquanto amante, não espero nada de ti além de força e coragem pra dar seguimento à sua vida, que estimo ao futuro dela vitoriosa e repleta de conquistas materiais e intelectuais. Te amo, meu amado peixinho.
Te amo, te amo, te amo.
Te amo!!!.


Luíza.