20120627

FATAL

Quando teus olhos pousam nos meus
Dissipa-se no ar fulgor ideal
Para que nunca se queira dar adeus!
Não foges tu de mim, meu bem!
Pois a teu hálito que enjaula sou leal
Há de um dia explicar-se teu desdém?
Tua pele tão envolta de malícias
Magnetiza minhas unhas em atração fatal...
Vem, não te isentas de meus olhos e carícias!
Que meu amor por ti, meu mal, é irreal!...