20070428

problemas espinhísticos II

Sabe quando você quer escrever algo e não consegue fazê-lo por não conseguir pensar em algo criativo? Bem, eu gosto de saber que não só sou eu que tenho esse problema.
Um bom exemplo são meus colegas, compositores de músicas de forró. Mas não são todas as músicas de forró que são ruins, há algumas com letras bem boladas. Mas eu falo daquelas do tipo "lapada na rachada", "bebo pra carai" e vertentes. Como diria minha amiga Larissa: "Mas, Luíza, essas letras são só pra divertir os ouvintes, nada mais que isso!" sim, mas nem por isso elas deixam de ser composições PÉSSIMAS e nada engenhosas.
Ora, vejam só! Eu falei no primeiro parágrafo que tinha um grave problema (não falei isso) de não conseguir escrever nada de produtivo. Bom, não que isso seja produtivo, mas eu estou conseguindo escrever algo, não?
Começa assim. Nada pra escrever, nada de inventividade, nada. Mas acho que a maioria dos escritores faz isso, vão enrolando o leitor (por não terem criatividade) até acharem que o texto está bom. Mas não, no meu caso não. (isso fica meio que subentendido que eu sou escritora, não sou) Sempre que eu termino algum texto, o fim sempre soa algo inacabado, incompleto. Ótimo eu ter dito isso agora, porque quando (se) o texto chegar ao fim, vocês não vão esperar muito.
Engraçado, sempre que eu escrevo algo pra por seja num blog, seja numa redação, eu sempre falo pra um público que talvez não exista. Bom, no caso da redação o público vai ser o professor que vai corrigir. Mas, eu tenho um blog (que quase ninguém tem acesso, e eu tenho certeza que esse "quase ninguém" não o acessa) e escrevo como se fosse pra um público que realmente leia e goste do que eu ponho lá.
Sabe, eu comecei a fazer esse texto do nada, no computador, ouvindo Poison, no bloco de notas. Eu deveria estar fazendo as tarefas da escola, mas como a minha cabeça tá cheia de idéias ruins (ruins, mas não quero desperdiçá-las por serem idéias) pra escrever aqui.
Só pra avisar: eu sou MUITO repetitiva. Devo ter escrito o verbo escrever de vários modos e conjugações por aqui. Mas é sempre assim, uma pessoa (como eu) sem engenhosidade pra *escrever* acaba sendo repetitiva ao expor uma idéia ruim. Olha só, mais um aviso pra vocês não fazerem uma expectativa boa do texto!
Enquanto eu digito (pra não dizer escrevo) aqui, meu tempo se passa e minhas espinhas nascem. Ah, pra que eu fui falar de espinhas? Agora vou me queixar ao longo do texto! Ano passado, meados de julho, meu rosto era horrível. Cheio dessas malditas. Depois que eu passei a freqüentar uma dermatologista muito boa, elas sumiram. Mas, ao passar do tempo, os remédios acabam, e eis a minha situação: meus remédios acabaram, Aline não tem dinheiro pra comprar novos, e vez ou outra nascem duas ou três espinhas. Isso me deixa apavorada, com medo que meu rosto volte a ser o que era. Mas, ainda bem que daqui a uns dias eu vou retornar a minha querida médica. (paga pau! paga pau!)
Meu nariz tá parecendo um morango. Quanto a maquiagem, é que uma dermatologista antiga me disse que eu não posso passar pó compacto, porque este deixa a pele ruim.
Acho que a criatividade se esgotou. Talvez, algum dia, mais idéias ruins venham, e talvez (de novo) eu conclua algo. Tchau.



tsc, textos relacionados a meu rosto, a mim, a mim, a mim e a mim. prometo ser menos egocêntrica.! :)
-a quem prometes mesmo?

problemas espinhísticos I

numa manhã, acorda-se. ainda está meio desorientado, não se importa com nada que esteja acontecendo, ainda. se olha no espelho e só se vê uma pessoa borrada de cabelo amassado. "vou lavar o rosto!" rosto limpo, olha-se no espelho, e vê uma pessoa já nítida: um rosto repleto de espinhas. a partir daí começa a se importar. vem o mau humor, e, sem querer (ou não), acaba descontando em quem não tem nada a ver com aqueles vulcões nascendo no rosto. isso acaba gerando discussões, mal estar. deixa de sair por causa da aparência.
talvez, isso tudo não aconteça com algumas pessoas, mas há a certeza de que já houve.
o que eu recomendo é ver fotos de gente com acne no google images. hmm, seu rosto é lindo, fixe isso. aliás, para evitar traumas, não veja as fotos. seu rosto é lindo e limpo, acabou-se. deixe de besteira! se cuide, siga o tratamento, não fique até às duas da manhã sem fazer nada (escrevendo para ninguém, por exemplo.)! vá lavar esse rosto, leia um bom livro. não se frustre por pouco. por mais que imagine, as pessoas tem mais o que fazer do que ficar fazendo fofoca sobre suas espinhas.


bem, não sei porque escrevi isso. precisava por isso em algum lugar. tentei ser impessoal, mas acabei me citando duas vezes. enfim, não sirvo.
assistir padrinhos mágicos é uma boa contra acne. :)