20071218

O Macaco Levado

Era uma vez um macaco muito levado que dava muito trabalho para sua mãe. Por exemplo, sua mãe dizia:
- Nino, vai tomar banho! - e ele não ia.
Um dia, ela chegou para Nino e disse:
- Nino, sinto muito dizer-te isto, mas terei de cortar tua mesada.
- Por quê? - respondeu Nino, começando a chorar.
- Porque enquanto você não mudar o seu comportamento... vou sentir muito pelo seu cofrinho.
Bem, até hoje Nino é um belo rapagão... quero dizer, macacão e muito comportado. E seu cofrinho... Ah! ele tem três cheinhos!
Nino com sua mesada vive feliz até hoje.


(by me, 2002)

20071213

Nanico

Conheci o namorado da amiga da minha mãe: um nanico. Ele era muito notável e também um náufrago. (?)
Tinha pena dele porque as pessoas riam dele por sua pequinês (??). Ficava roxo de raiva quando o chamavam assim:
- Olha o rato! - Mas depois chorava de tristeza à noite. Dava um "rugido" quando chorava.
Mamãe perguntou a sua amiga:
- Por que você gosta deste nanico?
- Porque eu o amo e o chamo de Apolo, o mais bonito dos deuses.

Moral da história:
"Quem ama o feio, bonito lhe parece."


/by me (22/03/2002)

20071205

futilidades for myspace


20071203

Você é um Nerd?

Você é um Nerd?



Resultado: 47 Pontos

Nerd em estágio avançado!

Com certeza é identificado como um Nerd a quilômetros de distância, talvez por esse motivo é muito provável que você será um exemplo de ser que passará pela terra sem fornicar uma única vez.


http://www.osvigaristas.com.br/testes/nerd/


conversa.

20071029

Sweet Dita



Learn More at PETA.org

20071020

Testes

Your Monster Profile

Twisted Gaze

You Feast On: Coffee

You Lurk Around In: The Ocean

You Especially Like to Torment: Priests




You Are 44% Shy

Although you live a pretty normal life, you tend to be a fairly shy person.
Many situations make you feel uncomfortable, and you sometimes find your shyness hindering your life.





You are a 1950s Diva

High heels, pretty dresses, classic makeup...
You're a feminine beauty who knows how to play up her assets!





You Are Straight

There's not much queer about you.
So let's just say you're straight... but not narrow.





What People Think of Your Mouth

People see you both as mysterious and exotic.
You definitely have cultivated your own unique interests and lifestyle.
Brainy and quick witted, you aren't one for superficial friendships.
But if someone can make you laugh or think, they'll likely be your friend for life.





You Are 76% Pure

Well, you're not exactly an angel - but you're pretty darn close.
But chances are, you have a couple juicy secrets deep in your closet.




You Are Somewhat Logical

Ok, so didn't get the majority of questions right
But you did answer some pretty tough questions correctly
Logic may not be your strong point, but you hold your own!




deveriam fazer: what kind of luíza are you? how lesa are you? (you E R | you = Luiza)

20071018

problemas espinhísticos IV (?)

não tenho mais espinhas, graças às minhas preces feitas à minha dermatologista. amém.

20071017

Intervalos

Intervalo é a relação existente entre duas alturas.

Classificação:

I - Quanto à maneira de os sons se articularem:
a) simultaneamente: INTERVALO HARMÔNICO
b) sucessivamente: INTERVALO MELÓDICO (ascendente e descendente)

II- Quanto ao grau de relacionamento entre os sons:
a) afinidade - repouso -> Intervalo CONSONANTE (3ªs e 6ªs maiores e menores; 4ªs, 5ªs e 8ªs justas)
b) atrito - movimento -> Intervalo DISSONANTE (2ªs e 7ªs maiores e menores e todos os intervalos aum. e dim.)

III- Quanto ao número de tons ou semi tons contidos no espaço sonoro -> QUALIFICAÇÃO
Assim, há várias espécies de 3ªs, 5ªs, etc. As diferentes espécies determinam que os intervalos recebam diferentes denominações específicas, qualificando-se em

JUSTOS (J)
MAIORES (M)
MENORES (m)
AUMENTADOS (Aum.)
DIMINUTOS (Dim.)


Antes do enfoque de algumas considerações sobre as transformações e o caráter dos diferentes intervalos, vejamos os que se formam com as notas naturais, finalizando com a 8ª J.





*Intervalos maiores (M) podem ser: m, aum, dim. *Intervalos menores (m) podem ser: M, aum, dim. *Intervalos justos (J) podem ser: aum, dim.

2ª m (1 st - 1/2 t)
2ª M (2 sts - 1 t)
2ª aum. (3 sts - 1t e 1/2)
* Não há 2ª dim: seria um intervalo nulo.

3ª dim. (2 sts - 1 t)
3ª m (3 sts - 1 t e 1/2)
3ª M (4 sts - 2 t)
3ª aum. (5 sts - 2 t e 1/2)

4ª dim. (4 sts - 2 t)
4ª J (5 sts - 2 t e 1/2)
4ª aum. (6 sts - 3 t)

5ª dim. (6 sts - 3 t)
5ª J (7 sts - 3 t e 1/2)
5ª aum. (8 sts - 4 t)

6ª dim. (7 sts - 3 t e 1/2)
6ª m (8 sts - 4 t)
6ª M (9 sts - 4 t e 1/2)
6ª aum. (10 sts - 5 t)

7ª dim. (9 sts - 4 t e 1/2)
7ª m (10 sts - 5 t)
7ª M (11 sts - 5 t e 1/2)
7ª aum. (12 sts - 6 t)

8ª dim. (11 sts - 5 t e 1/2)
8ª J (12 sts - 6 t)
8ª aum. (13 sts - 6 t e 1/2)

IV- Quanto ao âmbito de extensão, os intervalos podem ser:
a) SIMPLES: são os que se encontram no âmbito da 8ª justa, inclusive.
b) COMPOSTOS são os que ultrapassam a 8ª justa.



Os intervalos compostos são derivados dos simples.
Para se transformar um intervalo simples em composto, transpõe-se uma 8ª acima o som agudo ou vice-versa. Para se transformar um composto em simples, o processo é oposto.
Matematicamente, soma-se 7 ao número representativo do intervalo simples e vice-versa. A
qualificação (item III) permanece igual.


INVERSÃO DE INTERVALOS

Inversão de intervalos é o processo em que se transforma um intervalo em outro, mediante a transposição da 8ª acima da nota mais grave ou vice-versa.
Matematicamente, obtém-se a inversão subtraindo de 9 o número representativo de um intervalo dado. Ou seja, a soma dos intervalos sempre dará 9.
Na inversão,
todo intervalo
M transforma-se em m;
todo intervalo
m transorma-se em M;
todo intervalo
aum. transforma-se em dim.;
todo intervalo
dim. transforma-se em aum.
os intervalos
justos conservam sua qualificação.



















(Adaptado de SCLIAR, Esther - Elementos de Teoria Musical. Cap. XVII)

20070622

White Rabbit - Jefferson Airplane

One pill makes you larger
And one pill makes you small,
And the ones that mother gives you
Don't do anything at all.
Go ask Alice
When she's ten feet tall.
And if you go chasing rabbits,
And you know you're going to fall,
Tell 'em a hookah-smoking caterpillar
Has given you the call.
Call Alice
When she was just small.
When the men on the chessboard
Get up and tell you where to go,
And you've just had some kind of mushroom
And your mind is moving low,
Go ask Alice;
I think she'll know.
When logic and proportion
Have fallen sloppy dead,
And the White Knight is talking backwards
And the Red Queen's "off with her head!"
Remember what the dormouse said:

"Feed your head. Feed your head. Feed your head"

las palabras




palavras
inertes
abruptas
inacabadas
(assim, tão
ininterruptas!)


atos
doçuras
afagos
debruços
ao de(le)itar-se nas vogais,
consoantes
(assim, tão
insinuantes!),


sílabas
átonas
mudas
caladas
(assim, como
muitas!),


palavras



(by me)

20070513

soneto à liberdade

Não que eu ame teus filhos cujo olhar obtuso
Somente vê a própria e repugnante dor,
Cuja mente não sabe, ou quer saber, de nada

É que, com seu rugir, tuas Democracias,
Teus reinos de Terror e grandes Anarquias
Refletem meus afãs extremos como o mar,
Dando-me Liberdade! -à cólera uma irmã.

Minha alma circunspecta gosta de teus gritos
Confusos só por causa disso: do contrário,
Reis com sangrento açoite ou seus canhões traiçoeiros
Roubavam às nações seus sagrados direitos,

Deixando-me impassível e ainda, ainda assim,
Esses Cristos que morrem sobre as barricadas,
Deus sabe que os apóio ao menos parcialmente.



(Oscar Wilde)

cântico IV

Tu tens medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então será eterno.


(Cecília Meireles)

desventura

Tu és como o rosto das rosas:
diferente em cada pétala.

Onde estava o teu perfume? Ninguém soube.
Teu lábio sorriu para todos os ventos
e o mundo inteiro ficou feliz.
Eu, só eu, encontrei a gota de orvalho que te alimentava,
como um segredo que cai do sonho.

Depois, abri as mãos, - e perdeu-se.

Agora, creio que vou morrer.



(Cecília Meireles)

20070510

el ardor (d[c]olor) del amor II

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus barcos...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...



(Florbela Espanca)

cantiga de maldizer

Marinha, o teu folgar
tenho eu por desacertado,
e ando maravilhado
de te não ver rebentar;
pois tapo com esta minha
boca, a tua boca, Marinha;
e com este nariz meu,
tapo eu, Marinha, o teu;
com as mãos tapo as orelhas,
os olhos e as sobrancelhas,
tapo-te ao primeiro sono;
com a minha piça o teu cono;
e como o não faz nenhum,
com os colhões te tapo o cu.
E não rebentas, Marinha?

(Afonso Eanes de Coton)

20070507

el ardor (d[c]olor) del amor


a m o r

a
r d o r

a

d o r




(Sérgio Capparelli e Ana Cristina Gruszynski)

20070505

escribindo con sueño III

enfim... concluimos que o sono nos deixa mais espontâneos; seja para escrever, seja para gerar uma briga.
- ô criatura energúmena! não se conclui no começo!
- tá bem. agora chega! já que você é tão melhor que eu, que troquemos de função.
- esperava mesmo isso vir de você.
o sono nos deixa mais espontâneos; seja para fazer uns escritos, seja pra gerar uma discussão.
- não lembro onde eu vi isso antes.
(...) uma das únicas partes boas do sono é a boa fluência dos pensamentos. não que sem sono a criatividade não venha, mas, no caso de muita gente, é bom ter a experiência de escrever algumas bobagens antes de deitar.
enfim, concluimos que...
- cadê a engenhosidade?! já vai copiar o que eu disse de novo?!
... é melhor dormir de uma vez e acabou-se o assunto.

- ...

20070504

problemas espinhísticos III

sem melequeira e drama sobre isso agora, talvez porque eu já tenha me acostumado com o fato dos vulcões insistirem em ficar no meu rosto. tudo bem, tudo bem. google images me consola.
de fato deixei de me importar bastante, - ainda me importando, me atrasando pra por pó de arroz - mas deixei de ficar fazendo novela por causa disso.
enfim, espero que não venha mais aqui escrever sobre isso. é chato e ninguém gosta de ler sobre os problemas dos outros ( ao menos não de espinhas!).
estimo que não haja um "problemas espinhísticos IV" :p

escribindo con sueño II

mas, o sono só é bom para escrever. apesar de todas as coisas que o sono atribui a criatividade na escrita, ao se relacionar com as outras pessoas isso pode estragar tudo.

- começou a escrever difícil. tsc, não liguem!

mau humor, descaso, preguiça. o sono tem o poder magnífico de fazer uma discussão tão magnífica quanto.

- magnífica é a sua capacidade de escrever besteira. sugiro que você escreva sem sono, não deve ser tão ruim assim.

- antes, me contradizendo. agora me criticas?

- ei! pare de invadir meu espaço! aqui só tem coisas sensatas, ao contrário do seu.

se a vontade de dormir não vir, se afaste das pessoas e leia. cairás no sono e certamente não terás...

- hum... parece um psicólogo frustrado-desesperado. futuro do presente? bleargh!

... interrupções.

20070502

escribindo con sueño I

talvez, o sono seja um dos melhores estimulantes pra registrar escritos maravilhosos.
- ou grandes bobagens!
sonolentos, pensamos mais fluentemente, temos mais capacidade de expor nossas idéias naquele momento.
- naquele momento, com sono, só pensamos em uma coisa: "sono, sono, cama, cama, dormir, dormir..."!
a tal da acriatividade não predomina só em mim, mas em grande parte das pessoas que se impõem de que não tem engenhosidade. mentira, é só tirar isso da cabeça que as idéias fluem.
- que nada. grande parte das pessoas são burras e não conseguem escrever nada mesmo.
- pare com isso. eu tô tentando escrever e você me atrapalha.
- ei, saia daqui! você tem que narrar!
- eu não estou narrando. eu tô escrevendo uma opinião e você não passa de uma que me contradiz.
- ah. que limitada sou.
a experiência de escrever algo caindo de sono é abominavelmente adorável. saem bobagens e coisas boas simultaneamente, o que torna o texto agradável de se ler, e...
- abominavelmente adorável?! a quem você quer enganar? o sono te deixa repetitivo, durma logo.

20070428

problemas espinhísticos II

Sabe quando você quer escrever algo e não consegue fazê-lo por não conseguir pensar em algo criativo? Bem, eu gosto de saber que não só sou eu que tenho esse problema.
Um bom exemplo são meus colegas, compositores de músicas de forró. Mas não são todas as músicas de forró que são ruins, há algumas com letras bem boladas. Mas eu falo daquelas do tipo "lapada na rachada", "bebo pra carai" e vertentes. Como diria minha amiga Larissa: "Mas, Luíza, essas letras são só pra divertir os ouvintes, nada mais que isso!" sim, mas nem por isso elas deixam de ser composições PÉSSIMAS e nada engenhosas.
Ora, vejam só! Eu falei no primeiro parágrafo que tinha um grave problema (não falei isso) de não conseguir escrever nada de produtivo. Bom, não que isso seja produtivo, mas eu estou conseguindo escrever algo, não?
Começa assim. Nada pra escrever, nada de inventividade, nada. Mas acho que a maioria dos escritores faz isso, vão enrolando o leitor (por não terem criatividade) até acharem que o texto está bom. Mas não, no meu caso não. (isso fica meio que subentendido que eu sou escritora, não sou) Sempre que eu termino algum texto, o fim sempre soa algo inacabado, incompleto. Ótimo eu ter dito isso agora, porque quando (se) o texto chegar ao fim, vocês não vão esperar muito.
Engraçado, sempre que eu escrevo algo pra por seja num blog, seja numa redação, eu sempre falo pra um público que talvez não exista. Bom, no caso da redação o público vai ser o professor que vai corrigir. Mas, eu tenho um blog (que quase ninguém tem acesso, e eu tenho certeza que esse "quase ninguém" não o acessa) e escrevo como se fosse pra um público que realmente leia e goste do que eu ponho lá.
Sabe, eu comecei a fazer esse texto do nada, no computador, ouvindo Poison, no bloco de notas. Eu deveria estar fazendo as tarefas da escola, mas como a minha cabeça tá cheia de idéias ruins (ruins, mas não quero desperdiçá-las por serem idéias) pra escrever aqui.
Só pra avisar: eu sou MUITO repetitiva. Devo ter escrito o verbo escrever de vários modos e conjugações por aqui. Mas é sempre assim, uma pessoa (como eu) sem engenhosidade pra *escrever* acaba sendo repetitiva ao expor uma idéia ruim. Olha só, mais um aviso pra vocês não fazerem uma expectativa boa do texto!
Enquanto eu digito (pra não dizer escrevo) aqui, meu tempo se passa e minhas espinhas nascem. Ah, pra que eu fui falar de espinhas? Agora vou me queixar ao longo do texto! Ano passado, meados de julho, meu rosto era horrível. Cheio dessas malditas. Depois que eu passei a freqüentar uma dermatologista muito boa, elas sumiram. Mas, ao passar do tempo, os remédios acabam, e eis a minha situação: meus remédios acabaram, Aline não tem dinheiro pra comprar novos, e vez ou outra nascem duas ou três espinhas. Isso me deixa apavorada, com medo que meu rosto volte a ser o que era. Mas, ainda bem que daqui a uns dias eu vou retornar a minha querida médica. (paga pau! paga pau!)
Meu nariz tá parecendo um morango. Quanto a maquiagem, é que uma dermatologista antiga me disse que eu não posso passar pó compacto, porque este deixa a pele ruim.
Acho que a criatividade se esgotou. Talvez, algum dia, mais idéias ruins venham, e talvez (de novo) eu conclua algo. Tchau.



tsc, textos relacionados a meu rosto, a mim, a mim, a mim e a mim. prometo ser menos egocêntrica.! :)
-a quem prometes mesmo?

problemas espinhísticos I

numa manhã, acorda-se. ainda está meio desorientado, não se importa com nada que esteja acontecendo, ainda. se olha no espelho e só se vê uma pessoa borrada de cabelo amassado. "vou lavar o rosto!" rosto limpo, olha-se no espelho, e vê uma pessoa já nítida: um rosto repleto de espinhas. a partir daí começa a se importar. vem o mau humor, e, sem querer (ou não), acaba descontando em quem não tem nada a ver com aqueles vulcões nascendo no rosto. isso acaba gerando discussões, mal estar. deixa de sair por causa da aparência.
talvez, isso tudo não aconteça com algumas pessoas, mas há a certeza de que já houve.
o que eu recomendo é ver fotos de gente com acne no google images. hmm, seu rosto é lindo, fixe isso. aliás, para evitar traumas, não veja as fotos. seu rosto é lindo e limpo, acabou-se. deixe de besteira! se cuide, siga o tratamento, não fique até às duas da manhã sem fazer nada (escrevendo para ninguém, por exemplo.)! vá lavar esse rosto, leia um bom livro. não se frustre por pouco. por mais que imagine, as pessoas tem mais o que fazer do que ficar fazendo fofoca sobre suas espinhas.


bem, não sei porque escrevi isso. precisava por isso em algum lugar. tentei ser impessoal, mas acabei me citando duas vezes. enfim, não sirvo.
assistir padrinhos mágicos é uma boa contra acne. :)